Administração - FAEC

pesquisar

 
Sexta-feira, 17 / 04 / 15

Empresário baixa próprio salário para subir o dos empregados

 

Price um dia se deparou com um estudo que dizia que, para ser feliz, uma pessoa precisaria ganhar ao menos US$ 70 mil (R$ 211 mil) por ano. Essa pesquisa mexeu tanto com o fundador da empresa de pagamentos com cartão de crédito, Gravity Payments, que nesta semana, ele decidiu anunciar aos seus 120 empregados que esse passaria a ser o salário base de todos eles.
Para conseguir fazer a mudança, o próprio dono da empresa decidiu diminuir seu salário – de US$ 1 milhão (R$ 3 milhões) – e utilizar os US$ 2,2 milhões (R$ 6,64 milhões) gerados pela empresa no ano passado. "Acredito que isso é o que todo mundo merece", disse ele aos empregados, que ficaram boquiabertos.
 

Price fundou a Gravity Payments aos 19 anos de idade, quando era estudante universitário da Seattle Pacific University. E o empresário, de 30 anos, garante que não precisa de US$ 1 milhão para viver.

Segundo disse ao canal de TV americano ABC News, se ele ganhava tanto, era porque esse era o salário de um presidente executivo, algo que Price agora considera "uma loucura". E por isso, vai ajustar seu próprio salário ao mínimo estabelecido para todos.

Price reconhece que poderia levar uma vida de luxo, mas que ainda tem o mesmo carro há mais de 12 anos: um Audi que conseguiu em troca da ajuda prestada a um vendedor local de veículos com serviços da sua empresa.

O primeiro salário que ofereceu era de US$ 24 mil (R$ 72,4 mil) e não incluía um seguro de saúde. Desde então, garante, tratou de melhorar as condições de seus empregados e finalmente a empresa alcançou um patamar de sucesso em que pode fazer isso.

"Essa é a melhor maneira que encontrei de gastar dinheiro na vida", concluiu

publicado por INESUL às 20:11
Quarta-feira, 15 / 04 / 15

Garoto Que Quer Limpar os Oceanos

Escrito por  MAX HOPPENSTEDT

October 2014

A história de Boyan Slat não é exatamente a de um garoto prodígio de 20 anos que magicamente encontrou uma possível solução para um problema duradouro. Talvez seja mais precisamente descrita como uma combinação de dedicação pessoal, tentativa e erro. Ao revisitar seus antigos protótipos para uma tecnologia que removeria passivamente o plástico do oceano, ele quase sente vergonha de suas primeiras criações.

“Mas ciência é isso mesmo”, Slat me contou. “É um trabalho em andamento.”

A campanha de crowdfunding por trás do projeto Ocean Cleanup de Slat foi anunciada com uma proposta forte, assim mesmo: “Com dois milhões de dólares podemos transformar um conceito teórico em realidade”. Dois dias antes do encerramento, Slat conseguiu arrecadar o suficiente para seu projeto, deixando-o um passo mais próximo de realizar sua visão de um oceano sem plástico.

Plástico é o grande resíduo resistente da sociedade de consumo. Uma sacola plástica decompõe-se em cerca de 20 anos; uma garrafa demora por volta de 450. Barato e de aplicação universal, 225 milhões de toneladas do material são produzidas anualmente, a partir de um recurso não tão inesgotável quanto costumava ser: petróleo.

O plástico polui nossos oceanos na forma de partículas flutuantes, por vezes formando até mesmo ilhas. Estima-se que haja 150 milhões de toneladas de plástico nos mares, com 100 mil toneladas somente na mancha de lixo do Pacífico Norte. Isto significa que o plástico é responsável por cerca de 70% de toda a poluição nos oceanos. Se estes números não são o bastante para ilustrar o simples volume do problema, veja só estas pessoas posando em meio ao lixo doméstico semanal que geram.

Foi durante um mergulho na Grécia que Slat, à época com 17 anos, compreendeu a gravidade da situação. Desde então, o adolescente holandês, que acaba de completar 20 anos, dedica sua energia ao desenvolvimento de uma técnica que utilize a força dos redemoinhos para recolher o plástico.

Hoje, ele lidera uma equipe de 100 cientistas, estudantes, e apoiadores. E com o seu recente sucesso no crowdfunding, parece que o trabalho não irá diminuir. Ele explicou que seu próximo passo é construir protótipos melhorados de seus coletores flutuantes de 100 km de comprimento, antes de ancorar o sistema em águas poluídas nos próximos três a cinco anos.

“Não temos folgas, isso faz parte mesmo do projeto de limpeza do oceano”, declarou Slat, que alternava entre diversas ligações e emails durante uma visita a sua oficina em Delft. Ocasionalmente, ele estudava leituras de um aplicativo que monitorava as doações para o seu projeto; na época, ele estava chegando quase aos 2 milhões de dólares no crowdfunding.

“No momento a Alemanha é nosso segundo maior doador”, afirmou durante um momento mais descontraído. “Sem a internet, este projeto não estaria de pé.”

 O QUE QUEREMOS FAZER NUNCA FOI FEITO ANTES. É PROVÁVEL QUE NOS DEPAREMOS COM DIVERSAS INCERTEZAS.

É claro que o Ocean Cleanup Project não é o primeiro conceito de retirada de lixo dos oceanos. Há o projeto One Earth – One Ocean, de Munique, cujo objetivo é recolher o lixo com seu barco customizado, o Seekuh. Existem projetos de rede como o The Clean Oceans Project, que busca educar a população em escala global. E claro, há o adorável Mr. Trash Wheel: uma roda de moinho estilo cartoon que perambula pelo porto de Baltimore.

O que torna o projeto de Slat único é que ele parte da premissa de deixar as correntes marinhas fazerem o trabalho pesado, levando o plástico de forma eficaz pelo meio de uma estrutura com formato em V, onde o lixo será coletado e enviado regularmente à terra em lotes maiores. A barreira ancorada de 100 km, adicionou Slat, seria a maior estrutura já construída nos oceanos.

Os custos serão enormes, mas Slat ainda afirma que o projeto em si custaria 33 vezes menos que demais projetos convencionais em ação atualmente.

Nem todos estão convencidos. Stiv Wilson, do projeto 5Gyres, referiu-se ao esforço de Slat como uma falha e nada mais que uma ilusão. Em resposta, o jovem divulgou um longo estudo de viabilidade, em que demonstra, dentre outras coisas, como a vida marinha não será afetada ao passar por baixo da barreira.

Em um recente artigo no Süddeutsche Zeitung, cientistas alemães alertaram que o Ocean Cleanup Project causaria mais males que benefícios. Eles afirmaram que a força das correntes não foram estimadas corretamente, e que o plano de Slat poderia ser afetado pelo crescimento microbiológico na barreira.

De qualquer forma, Slat é grato pelas críticas que a comunidade científica fez de suas ideias; ele planeja continuar trabalhando em cima de futuros estudos de viabilidade e protótipos.

“O que queremos fazer nunca foi feito antes”, admitiu. “É provável que nos deparemos com diversas incertezas.”

No fim das contas, tirar o plástico do alto mar é só uma parte da solução. O objetivo final é encerrar, de uma vez por todas, o fluxo de lixo de nossa sociedade em direção aos oceanos. Sem mencionar a tarefa hercúlea que seria reciclar e reaproveitar todo o plástico assim que estiver em terra firme.

Se o projeto de Slat vai afundar ou não ainda é uma incógnita. Só não diga que ele não iria para o fundo junto com o barco.

TÓPICOS: oceano, mar, documentários, vídeos, entrevistas, terra, meio ambiente.

 

 

 

publicado por INESUL às 00:07
Segunda-feira, 13 / 04 / 15

Uma boa avaliação

5. DICAS PARA UM BOA PROVA a) Antes das provas - Leia jornais e revistas porque os temas sociais e atuais têm predominado nas principais avaliações do país nos últimos anos. A leitura também ajuda a aumentar o vocabulário. - Tire as dúvidas antecipadamente com o seu professor sobre as questões específicas do seu curso. Dúvidas na hora da prova só aumentam a ansiedade, o que será prejudicial nesse momento. Participe dos fóruns, reveja as webaulas especialmente desenvolvidas para você, em seu Ambiente Virtual de Aprendizagem. - Assista às teleaulas produzidas pelos docentes do curso e que estão disponíveis para você na Biblioteca digital sob o título Enade. - Faça o Enade com consciência e valorize seu diploma em educação a distância! b) Dia do Exame - Procure controlar o tempo. Em algumas provas você tem menos de dois minutos para resolver cada questão! Não se assuste. Algumas questões você responderá normalmente em poucos segundos, sobrando tempo para as outras. Mas todo cuidado é pouco. Atenção para não gastar muito tempo em uma questão difícil, enquanto que o mesmo tempo poderia lhe garantir várias questões mais fáceis. - Antes de passar as respostas para o gabarito, verifique se não se esqueceu de resolver ou pulou alguma questão. - Há quem diga que reler a prova na hora de entregar as respostas gera muitas dúvidas e você poderá ser tentado a mudar algumas. Se achar MESMO que alguma resposta deva ser mudada, faça-o; entretanto se tiver dificuldade em se decidir por duas respostas não mude a que marcou da primeira vez. Só mude a resposta se tiver certeza de que estava errada. - Preste muita atenção na hora de transcrever as respostas da prova para o gabarito. Erro nesse momento, é desastroso. - Inicie sua prova pelas questões discursivas, em seguida responda as objetivas. c) Questões 1. Discursivas - Destine a essas questões um tempo maior, em relação às questões objetivas, pois terá melhor desempenho quem souber redigir e estruturar bem suas idéias. Para responder corretamente as questões discursivas, você deve: - Identificar claramente a situação ou problema proposto: O que é mesmo que a questão está solicitando Qual o assunto ou conteúdo envolvido Atentar para o enunciado ou comando: compare, analise, justifique, cite, exemplifique, retire do texto, etc. Fazer o que o enunciado pede é fundamental, estrutura inadequada muitas vezes acaba zerando a questão; - Associar a situação identificada a um conjunto de princípios, leis e generalizações que explicam ou solucionam o problema; - Identificar aspectos relevantes e secundários. Este certamente é um dos pontos fundamentais - e um dos mais difíceis - para bem responder a questões discursivas. Como há limitação de tempo e, sobretudo, de espaço (a questão só pode ser respondida dentro do espaço próprio a ela destinado), o aluno deve decidir quais aspectos da questão devem ser explicitados, quais podem apenas ser referidos ou mencionados e quais podem ser omitidos. A capacidade de avaliação e de discernimento do aluno, nesse julgamento, é crucial para a atribuição dos pontos ou conceitos, por parte do examinador; - Estabelecer um esquema ou estratégia de abordagem da situação: decidir os passos e caminhos a serem percorridos; - Formular a resposta na linguagem verbal ou simbólica adequada à situação, atentando para o vocabulário e terminologia técnica apropriada, observando as seguintes especificações: - Faça períodos curtos, pois os longos podem tornar o texto confuso e criar problemas de coesão e coerência; - a clareza e a objetividade são itens muito importantes; - Evite a repetição e nada de gírias; - Corrigir o rascunho antes de passar a limpo é uma boa medida. Rasuras só no rascunho; - Responda as questões com tranquilidade, mas controle o seu tempo. 2. Objetivas - Faça primeiro as questões mais fáceis, aquelas que você sabe a resposta diretamente, sem muita conta ou muito que pensar. Evite perder tempo com questões que você julgar difícil. - Deixe por último as questões objetivas que tenha dúvidas. - Eliminem de início as alternativas que se mostrem estranhas ao assunto enfocado. - Busque as alternativas que apresentem maior coerência com o conteúdo cobrado.

publicado por INESUL às 18:53
Segunda-feira, 13 / 04 / 15

FAEC ADMINISTRAÇÂO

publicado por INESUL às 18:51
Segunda-feira, 13 / 04 / 15

Rematricula !!!!!!!!!!

EDITAL DG 001/2015 O Instituto de Ensino Superior de Londrina LTDA, entidade mantenedora da Faculdade Educacional de Colombo (FAEC), comunica a todos quantos interessar possa que as REMATRÍCULAS dos Cursos estarão abertas de 11/04/2015 a 17/04/2015, relativo aos Módulos fixados para o ano letivo de 2015. Os alunos que não fizerem a REMATRÍCULA na data prevista neste Edital, serão desvinculados do curso por Portaria a partir de 24/04/2015. Os alunos com débito financeiro deverão entrar em contato com Gisele (financeiro4@inesul.edu.br) ou Ingrid (financeiro2.inesul@inesul.edu.br) para negociação. A Instituição de Ensino não se responsabilidade pela inobservância das datas citadas. O pagamento das parcelas deverá ser efetuado pelo sistema bancário, exclusivamente mediante boletos. Qualquer outra forma de pagamento será considerada inexistente. Em caso de pagamento do boleto via internet, somente será considerada quitada a parcela, se observada rigorosamente a data do vencimento. O Requerimento de Rematrícula somente será encaminhado à apreciação da Direção após a certificação de que o interessado na contratação dos serviços educacionais não tenha débito junto a este Estabelecimento de Ensino. Em caso de não pagamento das parcelas, o contratante poderá ter seu nome protestado em Cartório, bem como inscrito no Serviço de Proteção do Crédito (SPC) ou SERASA, nos termos do Código de Defesa do Consumidor. O contrato firmado será considerado título executivo extrajudicial. Sendo o ensino planejado, elaborado e ministrado em caráter coletivo, as divergências com as condições estabelecidas inviabilizarão a contratação dos serviços educacionais. Cumpre salientar que o contrato de prestação de serviços educacionais, fruto de livre e consciente opção pelo ensino particular, será celebrado com base nos mandamentos constitucionais que patrocinam a LIBERDADE DE ENSINO, o PLURALISMO PEDAGÓGICO e a INICIATIVA PRIVADA, em especial os artigos 1º-IV, 21-XII; 170-IV; 175; 206-II e III e 209, todos da Constituição Federal, observando-se o Código Civil Brasileiro, a Lei nº 8.078/90 de 11/09/1990 (Código do Consumir) e a Lei nº 9394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional). Colombo, 10 de março de 2015. Dra. Vergínia Aparecida Mariani

Diretora Geral

publicado por INESUL às 18:48
Sexta-feira, 03 / 04 / 15

3 dicas para você aprender a negociar melhor Estudar as propostas e conhecer a pessoa que está negociando com você são passos fundamentais para fechar negócio

Saber negociar é um dos principais requisitos para ser um bom empreendedor. A princípio, essa estratégia de gestão parece simples, mas não é. Conseguir dialogar com clientes, fornecedores e funcionários e obter sucesso nessa comunicação exige um amplo conhecimento de gestão e dos produtos e serviços da empresa. De acordo com muitos especialistas, um negociador de sucesso é aquele profissional confiante, sem medo de errar, criativo, focado em seus objetivos, flexível a mudanças inesperadas e um excelente comunicador.

Esses tópicos podem assustar se você não possui todas essas características e não tem tempo necessário para adquirir essas qualidades – especialistas em negociação dizem que é preciso cerca de 800 horas de prática para adquiri-las. Para auxiliar o empreendedor em momentos de negociação, a revista Inc divulgou uma lista com três dicas essenciais.

1. Antes de começar a negociação – Para se preparar para uma reunião de negociação, o empreendedor deve conhecer todas as alternativas e descobrir quais são as melhores contrapropostas que podem ser apresentadas durante a reunião. Isso ajudará o negociante a determinar qual o preço máximo que aceitaria desembolsar ou o quanto aceitaria receber se o acordo entre as partes for alcançado. Além disso, é interessante conhecer os outros negociadores. Para isso é válido pesquisar matérias sobre a empresa negociante e sobre os seus adversários na mídia e nos sites corporativos. Conhecer normas legislativas que irão envolver a negociação é válido para evitar erros que no futuro podem causar problemas.

2. Conhecendo as propostas – No momento de abertura das propostas, é interessante fazer uma oferta agressiva antes dos concorrentes. Isso porque o preço inicial servirá como ponto de referência para os demais. Caso o empreendedor saiba a proposta do seu adversário, o ideal é fazer uma oferta que tenha um preço similar, porque eliminar rapidamente o seu concorrente pode prejudicar o desenrolar da negociação. Contudo, é válido lembrar que essa alternativa é arriscada caso você não tenha informações corretas sobre os demais concorrentes.
Outra estratégia é conhecer aos poucos as preferências do empreendedor que presidirá a reunião. Para isso, levar mais de uma proposta de negociação é interessante, uma vez que, de acordo com as reações dos empreendedores, você poderá apresentar propostas diferentes.

3. Respondendo a uma oferta – Nem sempre você conseguirá ser o primeiro a fazer a oferta de negociação. Quando isso acontecer, fique atento às informações que pesquisou previamente e faça uma contra-oferta agressiva. Caso as suas propostas sejam muito diferentes da inicial, procure pensar em rápidas alternativas e busque amenizar o clima de tensão.

publicado por INESUL às 15:20
Sexta-feira, 03 / 04 / 15

O que os empresários perguntam antes de contratar alguém Confira quais as questões fundamentais que os empresários querem saber na hora de entrevistar um executivo para integrar sua diretoria

"Há profissionais de entrevistas", afirma Luiz Valente, diretor executivo da consultoria de RH Talenses. "Executivos que se preparam tão bem para concorrer a uma vaga que fica difícil identificar se ele é como se mostra ou se está dizendo o  que acredita que o entrevistador quer ouvir." 

Assim como o headhunter, empresários sabem disso. Quantas vezes chamaram alguém para conversar, impressionados pelo currículo, mas, durante a conversa, não conseguem encontrar fatos que sustentem os autoelogios listados no papel. "No currículo, todo mundo é super-homem", afirma o dono de uma grande empresa de varejo brasileira, que gosta de entrevistar pessoalmente executivos até o nível de gerência.

Entrevistadores de longa data, como ele, criaram formas peculiares de driblas respostas vagas, clichês e até distorções da realidade apresentadas pelos candidatos. "Não é raro, por exemplo, o profissional dizer que tocou um projeto quando, na verdade, fez parte da equipe que realizou a tarefa, liderado por outra pessoa", afirma Valente.

NEGÓCIOS ouviu donos de grandes companhias e consultores acostumados a conduzir entrevistas para avaliar potenciais diretores. Eles contaram quais são as perguntas que mais costumam revelar verdades sobre seus interlocutores, ocultas no discurso preparado. "Depois de fazer todos os questionamentos técnicos", diz um investidor da área de tecnologia, "eu gosto de fazer algumas perguntas surpreendentes. Por exemplo: 'O que você faz no fim de semana?'". Engana-se quem pensa que "a resposta correta" seria: "Trabalho!". "Se o cara fala que fica lendo livros de economia, já sei que não serve para trabalhar na minha empresa. Gosto de contratar pessoas que têm outras paixões e hobbies." 

A seguir, outras perguntas que não faltam nas listas desses especialistas.

  1. O que você pode fazer por mim? Para me ajudar?
  2. Por que você vai arriscar seu atual emprego? Que vantagem vê em ir para um lugar novo?
  3. Qual o tipo de liderança com o qual se identifica? Por quê?
  4. Qual o tipo de liderança com o qual tem problema? Por quê? (“até para saber se combina com meu estilo de gestão”)
  5. Comece a falar mal de você mesmo, por favor (“no currículo, todo mundo é super-homem”)
  6. Quando você perdeu as estribeiras?
  7. Que erro já cometeu no trabalho que o fez voltar para casa pensando: “Fiz uma baita burrada hoje!”?
  8. Qual foi sua grande derrota na vida? Como lidou com ela?
  9. Quais são seus hobbies?
  10. O que você faz no fim de semana? Quais suas atividades de lazer?
  11. Como é sua família? É casado? (Se sim), sua esposa trabalha?

saiba mais

  1. Como é sua agenda pessoal?
  2. Como lida com pressão?
  3. O que mais lhe marcou nos últimos cinco anos? (“Não explico se me refiro à vida profissional ou pessoal – porque quero justamente ver o que é importante para cada um. A maioria das pessoas fala da vida profissional”)
  4. Para que você quer dinheiro?
  5. Se você tivesse hoje R$ 1 milhão, estaria se candidatando a essa vaga?
  6. Se sua empresa quebrasse hoje, o que você faria?
publicado por INESUL às 15:17
Segunda-feira, 23 / 03 / 15

EMPREGO NA INDÚSTRIA CAI 0,1% EM JANEIRO E 4,1% EM UM ANO, DIZ IBGE Portal UOL, 20/03/2015

 

O emprego na indústria brasileira teve queda de 0,1% em janeiro na comparação com dezembro e 4,1% em relação ao mesmo mês do ano passado, sendo o quadragésimo recuo consecutivo na comparação anual. O índice caiu 3,4% no acumulado dos doze meses até janeiro, mantendo a trajetória de queda que começou em setembro de 2013. Os dados são da Pimes (Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário), divulgada nesta sexta-feira (20), pelo IBGE.

Em dezembro, o índice teve aumento de 0,3%, interrompendo oito meses de quedas consecutivas, o que resultou em um recuo de 3,2% no emprego industrial em 2014, terceiro ano seguido em que foi registrada diminuição. Em um ano, maioria dos setores teve queda no emprego Na comparação com janeiro de 2014, 17 dos 18 ramos pesquisados mostraram queda no índice de emprego. O setor de máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações mostrou o maior recuo, de 11,3%.

Também tiveram queda significativa meios de transporte e produtos de metal, ambos caindo 7,7%, e de outros produtos da indústria de transformação, com recuo de 8%. O único setor que mostrou aumento no emprego foi o de produtos químicos, com 0,5%.

Produção industrial subiu em janeiro, mas caiu em um ano Em janeiro, a produção industrial no Brasil teve um aumento de 2% em relação a dezembro, mas caiu 5,2% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Os dados também são do IBGE e foram divulgados no último dia 4.

Em 2014, a produção registrou queda de 3,2%, pior resultado em cinco anos. Na avaliação do IBGE, mesmo com o aumento da produção em janeiro, o ritmo no setor continua fraco e a expectativa é que não melhore nos próximos meses. A falta de confiança do consumidor, o aumento de dívidas das famílias, o crédito mais caro e o cenário econômico internacional ainda desfavorável são apontados como fatores para isso.

publicado por INESUL às 12:32
Segunda-feira, 23 / 03 / 15

TRABALHO E EMPREGO !!

 

Dados recentes mostram que o mercado de trabalho no Brasil está instável. O Ministério do Trabalho e Emprego divulgou, pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), que no mês de fevereiro foram fachadas 2.415 vagas de emprego.

O resultado foi negativo, uma vez que em igual mês do ano passado houve geração de 260.823 postos de trabalho, mas melhor que a eliminação de 81.774 vagas em janeiro de 2015.

Além disso, a taxa de desemprego medida pela Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) ficou em 6,8% em no trimestre fechado em janeiro, o que representou um aumento em relação ao mesmo período de 2014, quando estava em 6,4%.

Ainda segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o nível de ocupação, que mede a parcela da população ocupada em relação à população em idade de trabalhar, caiu de 56,9% no trimestre encerrado em dezembro para 56,7% no trimestre encerrado em janeiro.

Com esse cenário, não é difícil de perceber quando você está perto de ser cortado da lista de pagamento. Se esse é o seu caso, não entre em desespero. A presidente do Grupo Foco, Eline Kullock, lembra que existem segmentos que ainda estão contratando ou que não vão sofrer tanto com a crise que o País está passando, como seguros, serviços ligados à área de saúde e o setor de beleza.

Confira abaixo como identificar uma possível demissão e o que fazer para tentar reverter a situação:

1- Peça feedback Segundo Eline, pedir feedbacks constantes ajuda a ter uma melhor noção de como o seu trabalho está sendo visto pela empresa e o que você precisa melhorar.

2- Conheça o ambiente Apesar de muitos fatores influenciarem o “clima” da empresa, vale a pena saber fazer uma leitura do ambiente. Muitas reuniões e “caras de preocupados” podem indicar mudanças.

3- Fale com o seu chefe Converse sobre a situação da empresa com o seu supervisor. Obviamente, ele não vai poder contar todos os planos da companhia, mas pode te indicar como está o mercado e o que a empresa espera para os próximos meses.

4- Seja autêntico A diretora lembra que por mais que a gente queira se mostrar eficiente em uma situação de possível demissão, não adianta se sobrecarregar e não conseguir trabalhar direito.

5- Explique-se Quando você opta em não assumir mais responsabilidades na empresa, o ideal que se explique os motivos da sua escolha.

6- Invista em você Faça cursos para melhorar o seu conhecimento sobre a área onde trabalha.

7- Evite fofocas Procure evitar fazer e estar em fofocas da empresa, isso ajuda a piorar o clima ruim dentro da organização.

8- Se ofereça para participar de outros projetos Caso você tenha como participar de outros projetos dentro da empresa, ofereça-se. Assim você pode mostrar o seu potencial e utilidade para os gestores.

9- Aprenda o trabalho dos seus colegas Com o mercado de trabalho ruim, existem grandes chances de seus colegas também serem demitidos e você precisará realizar o trabalho deles por um tempo. Por isso, conheça o trabalho deles e a importância dentro da empresa.

10- Consciência emocional Segundo Eline, é importante que o trabalhador se controle e conserve a sua consciência emocional para não se estressar e prejudicar o trabalho e a vida pessoal. 
publicado por INESUL às 12:29
Segunda-feira, 16 / 03 / 15

Link para acesso


http://www.gerenciamento.ufba.br/Disciplinas/Lideran%C3%A7a/3%20A%20DIFICIL%20ADMINISTRACAO%20DAS%20MOTIVACOES.pdf

 

Excelente !!!!!

publicado por INESUL às 14:10
Blog do Curso de Graduação em Administração da FAEC

mais sobre mim

Abril 2015

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

últ. comentários

  • O empresário Price é realmente um visionário, e mu...
  • O plástico pode sobreviver séculos nos oceanos. Ai...
  • Achei muito importante vale a pena ler
  • Vale a pena conferir muito bom.
  • Muito técnico e atrativo este artigo !!!!!!!
  • Muito interessante o e book !!!!!!!!!!!

mais comentados

arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro